quarta-feira, 2 de abril de 2008

° Me libertando °

Nesta madrugada estava eu conversando com um amigo...
Falando sobre as minhas nostalgias sem passado, meus sentimentos, minhas angustias...
Consegui ver que ainda existem pessoas no mundo que se preocupam com o bem estar do próximo. Que não olham exclusivamente para o próprio umbigo.

Antes deste momento, achava que ninguém nunca iria querer me ouvir...
Ouvir minhas confusões de sentimentos, minhas confissões de crise...
Sempre fui a ‘ouvinte’, a que dava o sangue para ajudar quem quer que fosse. Sem segundas intenções. Sem replicar meus problemas.

Acabei me acostumando com isso. Com o passar dos tempos, fechei-me só pra mim.
Ninguém mais entrava. Ninguém mais saía. Estava vivendo num mundinho sufocado de rótulos, crises, sentimentos, medos. Causa? Simplesmente não queria incomodar outras pessoas com meus problemas. Queria ficar sozinha.

Numa ilha isolada...
Olhando as ondas do mar... Conversando com o céu.
Chorando na areia e sorrindo para o sol.
Pedindo conselhos à lua.
Coberta de estrelas eu só queria dormir e sonhar...

Sonhar que o mundo é melhor.
Sonhar que as pessoas são boas.
Sonhar com alguém me ouvindo.

Acordar. Sentir a brisa do mar no meu rosto... Com toda a sua leveza.
E ver que ainda há sol. Que eu ainda tenho tempo.
Tempo? Sim, tempo!
Tempo para consertar erros, para conquistar objetivos...
Tempo para ser feliz.

Isso é possível? Por que não?
Não há tempo que me falte para seguir em frente.
Para levantar a cabeça e continuar... Conhecer-me.

Consegui libertar-me do mundinho obscuro.
Mas isso foi apenas o início.
A minha libertação virá gradualmente. E no tempo certo.

Ainda tenho todo um caminho pela frente para trilhar.
Aprendi a me expressar, ou ao menos tentar fazê-lo.
Enxerguei que o mundo gira, mas é em torno do sol, de si mesmo e da vida. E está em conjunto com os outros planetas do sistema.

Vou viver... Sentindo todo o conforto dessa ilha de emoções, que existe dentro de mim...

Não há tempo que me falte, não há tempo a perder.

S2

2 Comentários *=):

hamon dennovan dos santos disse...

eita se liberte mesmoooooooo
rotulos são para garrafas de refrigerantes...
esculte e fale e fale e faleeeeeee
grite se possivel
te adoro menina
bjos

Elilson disse...

Sempre é louvávelk quebrar esses horríveis rótulos que nos impõem, estou passando por uma fase assim também.
Acho muito interessante a simplicidade com a qual você se joga em seus textos.
É interessante buscar sim a introspecção, mas precisando, serei teu ouvinte!
Bjo.
Continue!

Postar um comentário